FAVORITAR
FecharPlease login

Desenvolvimento de Dispositivo IoT com Bateria: Melhores Práticas

Introdução

Nos últimos anos, a Internet das Coisas (IoT) tem revolucionado a forma como interagimos com o mundo ao nosso redor, conectando dispositivos inteligentes e coletando dados em tempo real para melhorar a eficiência, conveniência e qualidade de vida. Uma parte essencial desse ecossistema é a alimentação de dispositivos IoT por meio de baterias de íon de lítio, proporcionando mobilidade e flexibilidade em uma ampla gama de aplicações.

Este artigo apresenta uma análise aprofundada sobre o desenvolvimento de dispositivos IoT alimentados por baterias de íon de lítio, explorando as melhores práticas desde o design inicial até a implementação e operação desses dispositivos. Serão abordadas as características distintivas das baterias de íon de lítio, estratégias de gerenciamento de temperatura, testes de qualidade essenciais, técnicas eficazes de gerenciamento de energia e a importância da atualização remota de firmware para garantir o desempenho otimizado e a confiabilidade dos dispositivos IoT.

Objetivo

Com um foco em promover a eficiência energética, maximizar a vida útil da bateria e assegurar a segurança do sistema, este artigo visa oferecer insights valiosos para profissionais e pesquisadores envolvidos no desenvolvimento e implementação de dispositivos IoT alimentados a bateria. Ao adotar as práticas recomendadas e estratégias abordadas neste artigo, os desenvolvedores podem alcançar resultados superiores e criar soluções IoT inovadoras e robustas para enfrentar os desafios do mundo conectado de hoje.

Características da Bateria de Íon de Lítio e suas limitações

As baterias de íon de lítio são amplamente utilizadas devido à sua alta densidade de energia, vida útil longa e baixa taxa de autodescarga. No entanto, elas apresentam algumas limitações, especialmente relacionadas à segurança. As baterias de lítio são sensíveis a altas temperaturas, que podem levar ao superaquecimento e até mesmo a incêndios. Portanto, é crucial implementar medidas de segurança para evitar tais incidentes.

No dia 25 de Junho de 2024, ocorrerá o “Seminário de Sistemas Embarcados e IoT 2024“, no Holiday Inn Anhembi — Parque Anhembi, São Paulo–SP.

Garanta seu ingresso

Abaixo estão as principais características e limitações das baterias de íon de lítio:

Características

Alta Densidade de Energia: As baterias de íon de lítio oferecem uma alta densidade de energia, o que significa que podem armazenar uma grande quantidade de energia em um volume relativamente pequeno, tornando-as ideais para dispositivos compactos.

Baixa Autodescarga: As baterias de íon de lítio têm uma baixa taxa de autodescarga, o que significa que elas mantêm a carga por um longo período de tempo quando não estão em uso, reduzindo a perda de energia quando o dispositivo está inativo.

Ciclos de Vida Longos: Em comparação com outras tecnologias de bateria, as baterias de íon de lítio tendem a ter ciclos de vida mais longos, o que significa que podem ser recarregadas e descarregadas repetidamente sem perder significativamente sua capacidade.

Recarga Rápida: As baterias de íon de lítio são capazes de recarregar rapidamente em comparação com outras tecnologias de bateria, o que é vantajoso para dispositivos que exigem recarga frequente ou rápida.

Baixo Efeito de Memória: As baterias de íon de lítio não sofrem com o efeito de memória, o que significa que não é necessário descarregá-las completamente antes de recarregá-las, como era necessário com algumas tecnologias de bateria mais antigas.

Limitações

Sensibilidade à Temperatura: As baterias de íon de lítio são sensíveis à temperatura e podem sofrer danos se forem expostas a temperaturas extremas, o que pode reduzir sua vida útil e capacidade de armazenamento de energia.

Degradação com o Tempo: Mesmo com uma baixa taxa de autodescarga, as baterias de íon de lítio ainda sofrem alguma degradação ao longo do tempo, o que pode resultar em uma redução gradual da capacidade de armazenamento de energia ao longo de múltiplos ciclos de carga e descarga.

Segurança: Embora as baterias de íon de lítio sejam geralmente seguras quando usadas corretamente, elas podem apresentar riscos de segurança se forem maltratadas, danificadas ou expostas a condições extremas, como superaquecimento.

Custo: As baterias de íon de lítio podem ser relativamente caras em comparação com outras tecnologias de bateria, o que pode aumentar o custo total de produção de dispositivos IoT alimentados por bateria.

Limitações de Capacidade: Apesar de sua alta densidade de energia, as baterias de íon de lítio ainda têm limitações de capacidade em comparação com outras fontes de energia, o que pode limitar a autonomia de dispositivos IoT alimentados por bateria em certas aplicações de alto consumo de energia.

Sistema de gerenciamento de bateria (BMS): A maioria das baterias de íons de lítio inclui um sistema de gerenciamento de bateria (BMS) integrado. Este BMS serve como centro de controle da bateria. Ele garante que a bateria esteja operando em condições seguras. O BMS é essencial para a operação segura e o desempenho ideal das baterias de íons de lítio e ajudam a minimizar a possibilidade de fuga térmica.

Monitoramento e Controle de Temperatura

Um aspecto fundamental no desenvolvimento de dispositivos IoT com baterias de íon de lítio é o monitoramento e controle da temperatura. Sensores de temperatura devem ser incorporados ao design do dispositivo para monitorar constantemente a temperatura da bateria. Além disso, algoritmos inteligentes podem ser implementados para detectar aumentos repentinos de temperatura e acionar alarmes de alta temperatura para alertar os usuários e evitar danos.

Segue abaixo algumas dicas importantes para essa implementação. E ao seguir essas dicas e adaptá-las às necessidades específicas do dispositivo e do ambiente de uso, é possível implementar com sucesso o monitoramento e controle de temperatura em dispositivos IoT:

Seleção de Sensores de Temperatura Eficientes: Escolha sensores de temperatura de baixo consumo de energia e precisão alinhada ao custo-benefício do dispositivo, que seja capaz de fornecer leituras confiáveis e precisas com o mínimo impacto na vida útil da bateria.

Configuração de Limites de Temperatura: Defina limites de temperatura máxima e mínima para o funcionamento seguro do dispositivo, atento aqui aos componentes do dispositivo, com especial atenção às limitações por parte da bateria. Implemente alarmes ou alertas para notificar os usuários quando os limites de temperatura forem ultrapassados.

Otimização do Firmware: Desenvolva um firmware eficiente que minimize o consumo de energia durante o monitoramento da temperatura, realizando leituras apenas quando necessário e utilizando técnicas de baixo consumo em espera.

Intervalo de Amostragem Adequado: Determine o intervalo de amostragem adequado para o monitoramento da temperatura, equilibrando a precisão das leituras com o consumo de energia. Considere aumentar o intervalo de amostragem em períodos de baixa atividade para economizar energia.

Implementação de Estratégias de Controle de Temperatura: Desenvolva algoritmos de controle de temperatura que ajustem dinamicamente o funcionamento do dispositivo para manter a temperatura dentro dos limites especificados. Isso pode incluir a ativação de sistemas de refrigeração ou aquecimento, conforme necessário.

Gestão Eficiente de Energia: Otimize o consumo de energia do dispositivo durante o controle de temperatura, desativando recursos não essenciais e ajustando dinamicamente o consumo de energia com base nas condições de temperatura e operação.

Utilização de Tecnologias de Baixo Consumo de Energia: Considere o uso de tecnologias de comunicação e controle de baixo consumo de energia, como Bluetooth Low Energy (BLE) ou Zigbee, para reduzir o consumo de energia durante a transmissão de dados ou o controle remoto do dispositivo.

Testes Rigorosos: Realize testes rigorosos para validar a precisão e a eficácia do sistema de monitoramento e controle de temperatura em diferentes condições ambientais e de operação.

Plano de Teste Abrangente

Um plano de teste abrangente é fundamental nesse processo. Ele deve incluir testes que abrangem diversas condições, como temperatura, carga da bateria, estresse e vida útil da bateria. Além disso, é essencial realizar testes de conformidade com as regulamentações de segurança e obter certificações de qualidade para garantir que o dispositivo esteja em conformidade com os padrões estabelecidos.

A certificação em um organismo de regulação de transmissão de rádio frequência, aliada a um plano de teste abrangente e ao uso de módulos já certificados, proporciona uma garantia adicional de que o dispositivo IoT está em conformidade com os requisitos de qualidade e segurança. Isso não apenas aumenta a confiança do usuário, mas também facilita o processo de certificação e reduz os custos envolvidos.

Estão abaixo algumas dicas importantes que devem ser adaptadas às necessidades específicas do dispositivo e do projeto:

Definição de Objetivos Claros: Estabeleça objetivos claros para o plano de teste, incluindo os aspectos que serão testados, os critérios de aceitação e os resultados esperados.

Testes de Funcionalidade: Verifique se todas as funcionalidades do dispositivo estão operando corretamente, incluindo comunicação, sensoriamento, processamento de dados e interação com o usuário.

Testes de Consumo de Energia: Avalie o consumo de energia do dispositivo em diferentes modos de operação e situações de uso para garantir uma vida útil adequada da bateria.

Testes de Conectividade: Verifique a conectividade do dispositivo em diferentes ambientes e condições de rede, incluindo testes de alcance, estabilidade e interoperabilidade com outros dispositivos e redes.

Testes de Segurança: Realize testes de segurança para identificar e corrigir possíveis vulnerabilidades, garantindo a proteção dos dados e a integridade do sistema.

Testes de Resistência: Avalie a resistência do dispositivo a condições adversas, como variações de temperatura, umidade, vibração e impacto, para garantir sua durabilidade e confiabilidade em ambientes reais.

Testes de Desempenho: Verifique o desempenho do dispositivo em diferentes cargas de trabalho e situações de uso, identificando possíveis gargalos e otimizando o desempenho do sistema.

Testes de Atualização de Firmware (FOTA): Avalie o processo de atualização de firmware, garantindo que as atualizações sejam aplicadas de forma eficiente e segura, sem comprometer a operação do dispositivo.

Testes de Usabilidade: Avalie a usabilidade do dispositivo do ponto de vista do usuário, incluindo interface de usuário, feedback, acessibilidade e facilidade de uso.

Testes de Recuperação: Implemente testes de recuperação para verificar a capacidade do dispositivo de se recuperar de falhas, como quedas de energia, travamentos ou interrupções de conexão.

Automação de Testes: Utilize ferramentas e frameworks de automação de testes para aumentar a eficiência e a cobertura dos testes, garantindo uma abordagem sistemática e repetível.

Testes de Integração: Realize testes de integração para verificar a interoperabilidade do dispositivo com outros sistemas e componentes, garantindo uma integração perfeita em ambientes complexos.

Gerenciamento de Energia e Bateria

A viabilidade da IoT depende de tecnologias facilitadoras, como as Redes de Sensores Sem Fio (RSSF), que desempenham um papel essencial na detecção de operações. No entanto, um requisito fundamental para que um sensor sem fio seja adequado para uso na IoT é a eficiência energética. Como esses dispositivos sensores são geralmente alimentados por bateria, é crucial ter um sistema de baixo consumo de energia. Diversos mecanismos podem ser adotados para reduzir o consumo de energia ao projetar dispositivos que implementam um protocolo sem fio.

Portanto, o gerenciamento eficiente de energia é crucial para maximizar a vida útil da bateria e prolongar o tempo de operação do dispositivo IoT. Abaixo estão algumas dicas importantes para a conservação de energia:

Otimização do Firmware: Desenvolva um firmware eficiente que minimize o uso de energia, evitando processos desnecessários em segundo plano e maximizando o tempo em modo de baixo consumo de energia.

Gestão de Energia em Hardware: Utilize componentes de hardware de baixo consumo de energia e implemente técnicas de gerenciamento de energia, como suspensão seletiva de dispositivos periféricos e controle de frequência do processador.

Transmissão Eficiente de Dados: Reduza a frequência de transmissão de dados e utilize protocolos de comunicação eficientes em termos de energia, como MQTT ou CoAP. Além disso, otimize o tamanho dos pacotes de dados transmitidos para minimizar o consumo de energia durante a comunicação.

Utilização de Tecnologias de Baixa Potência: Considere o uso de tecnologias de comunicação de baixa potência, como Bluetooth Low Energy (BLE), LoRaWAN ou Zigbee, que são projetadas especificamente para dispositivos IoT alimentados por bateria.

Sensoriamento Inteligente: Implemente algoritmos de sensoriamento inteligente que ativem os sensores apenas quando necessário, reduzindo o tempo de atividade e o consumo de energia.

Gerenciamento de Energia em Nível de Aplicação: Desenvolva aplicativos que gerenciem eficientemente o uso de energia, como desligar recursos não essenciais durante períodos de inatividade ou ajustar dinamicamente as configurações do dispositivo com base nas condições ambientais.

Atualizações de Firmware Otimizadas: Ao realizar atualizações de firmware, otimize o processo para minimizar o impacto no consumo de energia, como agendar atualizações durante períodos de baixa atividade ou implementar atualizações incrementais para reduzir o tamanho dos dados transferidos.

Monitoramento de Bateria: Implemente recursos de monitoramento de bateria para que o dispositivo possa alertar os usuários quando a carga da bateria estiver baixa, permitindo uma substituição ou recarga oportuna.

Atualização Remota Firmware-Over-The-Air (FOTA)

As redes de sensores sem fio estão agora sendo implantadas em ambientes reais, saindo do laboratório para o campo. Em muitos casos, surge a necessidade de atualizar o software ou a configuração dos nós sensores após sua implantação. Essas atualizações over-the-air são essenciais devido à escala das implantações e à localização remota e inacessível dos nós sensores. Desde os estágios iniciais das redes de sensores, reconheceu-se essa necessidade e pesquisas nas áreas de redes móveis e sistemas distribuídos têm contribuído para desenvolver soluções. Para garantir uma atualização sem intervenção manual, é fundamental que o processo seja autônomo.

Portanto, o recurso de atualização firmware remota over-the-air (FOTA) é essencial para garantir que o dispositivo IoT esteja sempre atualizado com as últimas correções de segurança, melhorias de desempenho e novos recursos. Isso permite que as atualizações sejam entregues de forma eficiente, sem a necessidade de intervenção física no dispositivo, proporcionando maior conveniência e agilidade para os usuários.

A seguir estão algumas dicas importantes:

Minimizar o Consumo de Energia: Implemente um processo de atualização que minimize o consumo de energia, realizando downloads e atualizações em períodos de baixa atividade do dispositivo e otimizando o uso da rede para reduzir o tempo de transmissão.

Segmentação Inteligente: Divida as atualizações em segmentos menores e transmita apenas os dados modificados, em vez de atualizar todo o firmware de uma vez. Isso reduz o tempo e a energia necessários para a atualização.

Verificação de Integridade: Antes de aplicar uma atualização, verifique a integridade dos dados para garantir que a atualização não esteja corrompida. Use checksums ou hashes para verificar a integridade dos arquivos de firmware.

Fallback Seguro: Implemente um mecanismo de fallback seguro para reverter para a versão anterior do firmware em caso de falha durante a atualização. Isso evita que o dispositivo fique inoperante devido a uma atualização malsucedida.

Notificações e Agendamento: Forneça aos usuários a capacidade de agendar atualizações de firmware durante períodos de baixa atividade ou notificá-los sobre atualizações disponíveis para que possam optar por realizar a atualização quando for conveniente.

Gestão de Bateria: Monitore o nível da bateria durante o processo de atualização e evite iniciar uma atualização se a carga da bateria estiver muito baixa para garantir que o dispositivo não desligue durante o processo.

Recuperação de Atualização Interrompida: Implemente um mecanismo de recuperação para retomar uma atualização interrompida de onde parou, caso a conexão seja perdida ou a energia seja cortada durante o processo de atualização.

Testes Rigorosos: Realize testes rigorosos em condições reais para garantir que o processo de FOTA funcione conforme o esperado e não cause problemas de estabilidade ou desempenho no dispositivo.

Ao seguir essas dicas, é possível implementar com sucesso o over-the-air (FOTA) em dispositivos IoT alimentados por bateria, garantindo atualizações eficientes e seguras do firmware.

Desenvolvimento de Firmware para Dispositivos IoT com Bateria

Desenvolver firmware para dispositivos IoT que operam com bateria requer atenção especial a diversos aspectos, desde a eficiência energética até a robustez do sistema e a segurança dos dados. Aqui estão algumas das melhores práticas a serem consideradas durante o desenvolvimento:

Gerenciamento de Energia Eficiente: Implemente estratégias de gerenciamento de energia para maximizar a vida útil da bateria, como dormir profundamente quando o dispositivo estiver inativo e minimizar o uso de recursos energéticos sempre que possível. Utilize técnicas como a otimização do código e o uso cuidadoso de periféricos para minimizar o consumo de energia durante a execução do firmware.

Watchdog Timer (WDT) para Recuperação Rápida: Utilize um Watchdog Timer para monitorar o funcionamento do sistema e reiniciá-lo automaticamente em caso de falha ou travamento. Configure o Watchdog Timer com um tempo de timeout adequado para garantir uma recuperação rápida do sistema em caso de falha.

Configuração Remota e Flexibilidade: Projete o firmware para permitir a configuração remota dos parâmetros do dispositivo, intervalos de leitura de sensores e outros ajustes operacionais.  Utilize formatos de dados flexíveis, como JSON, para facilitar a transmissão e interpretação de configurações remotas pelo dispositivo.

Geração de Logs para Rastreabilidade de Bugs: Implemente um sistema de registro de logs robusto que capture informações importantes sobre o funcionamento do dispositivo, incluindo eventos de erro, exceções e mensagens de depuração. Os logs devem ser armazenados de forma eficiente e permitir a fácil recuperação e análise para identificação e resolução de problemas.

Rastreabilidade de Segurança: Integre recursos de segurança robustos no firmware, como criptografia de dados, autenticação de dispositivos e comunicação segura. Mantenha registros detalhados de atividades relacionadas à segurança, como tentativas de acesso não autorizado, atualizações de firmware e alterações de configuração.

Testes Rigorosos e Manutenção Contínua: Realize testes abrangentes do firmware em diferentes cenários operacionais, incluindo condições de baixa potência, falhas de rede e ataques de segurança. Mantenha um ciclo de desenvolvimento iterativo, incorporando feedback do usuário e correções de bugs para garantir a confiabilidade e a segurança contínuas do firmware.

Conclusão

Ao refletir sobre o desenvolvimento de dispositivos IoT alimentados por baterias, podemos observar a importância crítica de seguir as melhores práticas desde o design inicial até a implementação e operação desses dispositivos. A análise aprofundada do texto destaca a necessidade de promover a eficiência energética, maximizar a vida útil da bateria e garantir a segurança do sistema para enfrentar os desafios do mundo conectado de hoje.

É fundamental reconhecer as características distintivas e as limitações das baterias, bem como a sensibilidade à temperatura, a degradação ao longo do tempo e os aspectos de segurança. O monitoramento e controle da temperatura, juntamente com um plano de testes abrangente e atualizações de firmware remoto, desempenham um papel crucial na garantia do desempenho otimizado e na confiabilidade dos dispositivos IoT.

Nesse sentido, os profissionais e pesquisadores envolvidos no desenvolvimento desses dispositivos são chamados a adotar as práticas recomendadas e estratégias apresentadas na literatura. A busca por soluções inovadoras e robustas requer uma abordagem cuidadosa, que envolve o gerenciamento eficiente de energia, a escolha de componentes de baixo consumo e a implementação de técnicas atualizadas, como o firmware over-the-air (FOTA).

Como profissionais de desenvolvimento, somos desafiados a considerar a importância da eficiência energética e da segurança em nossos próprios projetos e práticas. A reflexão sobre a conservação de energia, a responsabilidade na gestão de recursos e a constante busca por atualizações e aprimoramentos são elementos essenciais para promover um ecossistema IoT sustentável e confiável. Assim, ao integrar esses princípios, podemos contribuir para um futuro tecnológico mais eficiente e resiliente.

Referências:

Etacheri, V., Marom, R., Elazari, R., Salitra, G., Aurbach, D. (2011). Challenges in the Development of Advanced Li-Ion Batteries: A Review. Energy & Environmental Science, 4(9), 3243-3262.

Perera, C., Zaslavsky, A., Christen, P., Georgakopoulos, D. (2014). Context Aware Computing for The Internet of Things: IEEE Communications Surveys & Tutorials, 16(1), 414-454.

Zhang, R., Wang, W., Zhang, Y., Zhang, K. (2020). A Survey on Over-The-Air Software Updates in Wireless Sensor Networks. IEEE Access, 8, 49147-49159.

Maria Julia B. de Sousa, Luis Fernando Gonzales, Erick Ferdinando, Juliana F. ´ Borin. Over-The-Air Firmware Update for IoT Devices on the Wild. Internet of Things, 19-C:100578, August 2022. [JCR Impact Factor = 5,711, Qualis A1, Scopus 97th percentile]

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Comentários:
Notificações
Notificar
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Home » Hardware » Desenvolvimento de Dispositivo IoT com Bateria: Melhores Práticas

EM DESTAQUE

WEBINARS

LEIA TAMBÉM

JUNTE-SE HOJE À COMUNIDADE EMBARCADOS

Talvez você goste:
Nenhum resultado encontrado.


Seminário de
Sistemas Embarcados e IoT 2024
 
Data: 25/06 | Local: Hotel Holiday Inn Anhembi, São Paulo-SP
 
GARANTA SEU INGRESSO

 
close-link